Web

Games: Boom da indústria mobile abre espaço para novos negócios

play mobile

Mercado gamer foi diretamente potencializado por uso de dispositivos móveis

Os avanços obtidos com a internet ampliaram o alcance dos jogos eletrônicos, somando, à indústria dos consoles, enredos online, e, na mais recente febre, os jogos mobiles e sociais. Considerando essas categorias, a pesquisa Game Pop Ibope, uma das mais recentes do segmento, apresentada em 2012, apontou que, à época, 61 milhões de internautas brasileiros jogavam algum tipo de jogo, independente de sua plataforma.
Apesar de os consoles ainda representarem 67% da preferência dos brasileiros de acordo com a pesquisa, contra 42% dos jogos em computadores pessoais, considerando também aqueles oferecidos em redes sociais como o Facebook, são os jogos online possuidores do maior tempo médio gasto pelos usuários: cinco horas e 14 minutos diários, contra apenas três horas e 22 minutos dos consoles.
Nos anos de 2013 e 2014, a arrecadação se aproximou dos U$ 100 bilhões, sendo os jogos online responsáveis por mais de 10% do faturamento, de acordo com a consultoria Super Data Research. No topo do mercado consumidor está os Estados Unidos, responsável por cerca de 25% da arrecadação anual com jogos. Atrás dele estão o Japão e o Reino Unido.
Entre os destaques estão as franquias de Call of Duty e Grand Theft Auto, que, nos lançamentos mais recentes, ultrapassaram a casa do bilhão ainda nos primeiros 15 dias de vendas.

Cenário produtivo brasileiro

Uma pesquisa elaborada pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) identificou a existência de 133 empresas desenvolvedoras de jogos, concentradas principalmente em Estados do Sudeste e Sul, como São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.
O cenário produtivo ganhou expansão significativa em 2009 – motivado, de acordo com o BNDES, pela popularização das plataformas mobiles – e é composto, principalmente, por empresas de pequeno porte, com faturamento anual de até R$ 240 mil. Entre todas as empresas identificadas, apenas cinco delas conseguem movimentar de R$ 2,4 até R$ 16 milhões ao ano.
O surgimento destas pequenas empresas no ramo do desenvolvimento mapeadas pelo BNDES é atribuído, segundo analistas financeiros, pelo cenário possibilitado pela indústria mobile, que oportuniza a criação de jogos e aplicativos menos complexos e com investimentos mais baixos se comparados à indústria milionária dos consoles e dos jogos online mais robustos.

Pesquisa Game Brasil 2016

Para ajudar a entender melhor o cenário gamer brasileiro, a Pesquisa Game Brasil 2016 reuniu informações de 2.848 pessoas ao redor do país com idades entre 14 e 84 anos e aponta que os jogos eletrônicos são preferência de 74% dos que responderam à pesquisa.

E, pasmem, a mulher detém 52,6% de presença no cenário dos jogos eletrônicos, aumento significativo se considerarmos em que em 2013 representávamos apenas 41% do público gamer.

plataformas gamers mais usadas

Na preferência geral, os jogos de estratégia e aventura figuram no topo do ranking e o smartphone aparece como a plataforma mais usada, superando o clássico console e o computador. Pelas informações da pesquisa, é possível constatar que o aumento da tendência de uso do smartphone é consolidada, diretamente, pelo aumento do consumo de jogos na plataforma pelo público feminino.

De qualquer modo, a tendência mercadológica constatada em 2014 permanece válida e o cenário continua propício ao desenvolvimento de novos negócios no segmento mobile. Para quem tiver interesse em saber mais detalhes da pesquisa, basta clicar aqui.

Mesmo que não estejamos diretamente ligados a este segmento ou sejamos somente consumidores, é interessante que estejamos por dentro do perfil dos usuários já que vivenciamos o ambiente online e estamos expostos às suas mudanças. Um exemplo disso é que pelo menos 60% do tráfego do blog vindos do facebook são originários de acessos mobile –  por isso o design responsivo tem sido cada vez mais essencial.

Veja mais posts como este na página de categorias web.

*Este foi um texto adaptado da Revista Geex, meu trabalho de conclusão do curso de Jornalismo
Crédito da imagem destacada: Sony

Você também pode gostar

2 Comentários

  • Responder
    VANESSA BRUNT
    julho 31, 2016 at 1:42 pm

    Quanto enriquecimento, detalhamento e informação de ponta! Adorei os aprofundares feitos e apesar de não jogar nenhum jogo assim, tive reflexões importantes. Até porque, a temática nos faz refletir sobre quesitos para além de games, mas também uso de sites e afins. Adorei!

    http://WWW.SEMQUASES.COM

  • Responder
    Clayci
    agosto 4, 2016 at 4:28 pm

    Eu mal posso esperar a BGS para conhecer o que as novas empresas estão oferecendo hahahaha

  • Responda

    shares